É possível gerar indicadores de desempenho utilizando o SEI? ENAJUS 2019

Brasília, 06 de agosto de 2019.

Hoje, o Prof. Rafael Rabelo apresentou o artigo “É possível gerar indicadores de desempenho utilizando o Sistema Eletrônico de Informações (SEI)?” no Encontro Nacional de Administração da Justiça – 2019, realizado nas dependências da FINATEC, em Brasília.

O artigo partiu de uma pesquisa realizada dentro do Supremo Tribunal Federal pelo seu aluno Rodrigo de Lima Cunha, sob orientação do Prof. Rafael Rabelo e colaboração do Prof. Carlos André de Melo Alves.

Segundo um membro do comitê do Trabalho Remoto, a solução foi um “divisor de águas na gestão do trabalho remoto do STF”.

Link para o trabalho completo

RESUMO: O Sistema Eletrônico de Informações (SEI) – idealizado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, e atualmente, suportado pelo Processo Eletrônico Nacional do Ministério da Economia – tem sido um software muito adotado na Administração Pública Federal, com instalações em 111 órgãos dos três poderes em seus mais diversos níveis – Federal, Estadual e Municipal. Uma das razões que explica o sucesso desse software é a sua flexibilidade na implementação de processos de trabalho, sem que haja, necessariamente, mapeamento do fluxo e o detalhamento de todas as suas atividades do processo. Isso permite sua rápida absorção pelos usuários e as mais diversas áreas da organização. Em um primeiro momento, é comum se ter a sensação de que a eliminação do papel e o trâmite eletrônico dos processos traz ganhos, contudo, a inexistência de detalhes do fluxo do processo, aliada a ausência de indicadores de desempenho pode dificultar a sua melhoria contínua. Neste relatório técnico, propõe-se uma maneira de endereçar essa questão pelo uso do próprio SEI aliado a uma ferramenta de Business Intelligence. A metodologia utilizada foi a de pesquisa-ação dentro do processo de gestão do trabalho remoto do Supremo Tribunal Federal. Nessa metodologia, primeiramente se explicita o problema e os principais desafios, buscam-se por soluções que podem endereçar o desafio, implanta-se um protótipo de solução para, enfim, avaliar resultados para novos ciclos de melhoria. A proposta de solução não gerou custos adicionais para o Tribunal e trouxe insights para melhorias do processo de gestão do trabalho remoto.

Please follow and like us:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *